Aqui você vai ter:

- Curso de Teclado ideal para iniciantes.
- Ambiente climatizado.
- Instrumentos de excelente qualidade e adequados para iniciantes.
- Horário flexível.
- Iniciação musical (Mesclando Teoria e Prática da música).
- Grande acervo de partituras em vários estilos.
- Encaminhamento ao teste da O.M.B. (Ordem dos Músicos do Brasil).
- Mensalidade acessível.

OBJETIVO: Formar músicos tecladista originais, independentes e eficientes na leitura de partituras, cifras e percepção auditiva.

METODOLOGIA: Nossa metodologia implica na aplicação dos conceitos teóricos da música adquiridos durante o curso, levando em conta a motivação, cognição e o desejo de aprender. Acreditamos na capacidade humana e pessoal que nos possibilita a aprendizagem de novas habilidades, inclusive habilidades musicais.

CURSOS OFERECIDOS:

CURSO BÁSICOTeclado Arranjador por Partituras - Níveis de 1 a 6
Musicalização através de uma Seleção de Músicas (Partituras) didáticas e Lições de Teoria Elementar, escolhidas criteriosamente para lhe proporcionar um melhor aprendizado. Exercícios práticos e teóricos.
Pré-requisitos: Ser iniciante.

CURSO AVANÇADO Teclado Arranjador por Cifras
Percepção, Teoria Avançada, Harmonia Tradicional, Técnicas de Acompanhamento e Editoração.
Pré-requisitos: Ter concluído o Curso Básico ou possuir certificação (Sujeito a avalição).

AULAS INDIVIDUAIS OU REFORÇOPara Músicos Tecladistas.
Aqui você poderá marcar aulas em horários especiais para tratar de assuntos de seu interesse, como por exelmplo, dúvidas de programação, técnica, partituras ou cifras que você não consegue tocar e outros.
Pré-requisitos: Marcar com antecedência.

ESTRUTURA: Nosso ambiente é sofisticado e especialmente preparado para a atividade de ensino da música.

"Aprender a tocar um instrumento como o teclado arranjador, não é impossível, basta para isso: vontade, paciência e uma boa orientação". Eis aqui o segredo para o nosso sucesso no ramo da educação musical: temos muita paciência e muito carinho em ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos musicais".

Bem, se você procura preço justo, qualidade e paciência no que se refere a educação musical e tem o desejo se qualificar para realizar belos arranjos em seu Teclado Arranjador, o CURSO DE TECLADO - Prof. Elvis Chaves nasceu sob medida para que você chegue lá, é o lugar certo para você! Estamos prontos para dar início ao seu treinamento como tecladista.

NÃO PERCA SEU TEMPO, ESTUDE COM QUEM REALMENTE SABE E TEM EXPERIÊNCIA NO ASSUNTO

Prof. Elvis Chaves

Um Curso de Teclado para todas as idades com muita dedicação e paciência em realizar sonhos musicais.

NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS

COMO ENCONTRAR?
Contatos: Oi (83)8740-2530 / 8701 9859 / Tim (83)9966-6875 / Claro (83)9102-3221
e-mail: profelvischaves@gmail.com
Endereço: Rua Tabelião Eurydice de Barros Esteves, 156, Mangabeira I, João Pessoa, Paraíba 58055-450, Brasil (Esquina com a Peixada Manoel do Lastro).
Use o Google Maps

FAÇA SUA BUSCA NO BLOG AQUI

Carregando...

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

ANTES DE CONTINUAR... UM POUCO DE HISTÓRIA


É noite de estréia: a orquestra faz sua primeira apresentação para o público! Agitando as mãos, o maestro comanda os músicos. E, volta e meia, confere alguns papéis, colocados à sua frente. O mesmo faz os instrumentistas! Com um olho no regente e outro nas folhas, eles tocam para a platéia, que já se pergunta: afinal, o que está escrito nesses papéis que o maestro e os músicos não cansam de olhar? Ora, só algo muito importante para a orquestra: a música!
Sim, como o idioma que falamos a música também pode ser lida e escrita. Isso porque, ao longo dos séculos, os sons e as instruções necessárias para tocá-los começaram a ser representados graficamente no papel. Mas até que isso acontecesse um longo caminho precisou ser percorrido.
A música, durante muitos séculos, foi transmitida oralmente. As pessoas mais humildes a cantavam ou tocavam e, dessa maneira, ela ia sendo passada de geração em geração. Hoje, canções folclóricas (como as de nossos índios e as de grupos africanos) ainda são, em geral, difundidas dessa forma: com a música sendo registrada apenas na memória.
Por volta do século IX, porém, esse jeito de levar a música às pessoas começou a mudar. Nessa época, a música costumava ser cantada e usada em cultos religiosos. Então, para ajudar os que cantavam a se lembrar dela, foram criados símbolos, pontos, traços e linhas sinuosas, que acompanhavam os textos apresentados nas cerimônias. Era preciso escrever as músicas para que não fossem esquecidas.
A Notação musical ou simplesmente: Partitura. Ferramenta indispensável para ler e escrever música, ela é nada mais, nada menos do que a representação gráfica dos sons e das instruções para tocá-los feita sobre o papel. Esses sons são imaginados e ouvidos mentalmente pelo compositor e vão parar no papel para que a música não seja esquecida e, assim, possa ser tocada novamente.
Ao olhar uma partitura com atenção, músicos treinados e experientes são capazes de ler a música impressa no papel e ouvi-la mentalmente. Nesse primeiro contato, eles começam a pensar como gostariam de executá-la. Os regentes de orquestra, contudo, têm um trabalho mais complexo: ao olhar uma partitura, eles não imaginam apenas a parte que cabe a cada instrumento. Eles ouvem, na sua mente, todas as partes, de todos os instrumentos, somadas.
Os compositores, ao transmitirem para o papel as idéias musicais que tinham, foram, aos poucos, tornando as composições mais longas e complexas. Houve um estímulo para a criação de novos instrumentos, o uso deles em grande número e ao mesmo tempo e a construção de salas de concerto maiores. A própria notação musical, a representação gráfica dos sons e das instruções de como tocá-los também foi se tornando mais precisa e complexa. Ela retratou, ao longo da história, as transformações que a música passou e as mudanças que ela ainda sofre.
No século XI, por exemplo, os sons passaram a ser chamados de ut (que depois virou dó), ré, mi, fá, sol, lá, si. Nessa época, as sequências de sons também começaram a ser registradas com maior precisão em linhas e espaços, a pauta. Ela era acompanhada pelas claves, sinais que indicam em que região, se na mais grave ou mais aguda, os sons serão ouvidos ou executados.
Até o século XIII, a música instrumental era pouco comum. A música era cantada. Então, existia uma forte relação entre ela e a palavra. O ritmo musical era dado pelo ritmo da palavra e resultava da sucessão de sílabas curtas e longas, acentos fracos e fortes. A duração de cada som, no entanto, não era precisa, pois ela ainda não havia sido medida e nem existia uma preocupação em fazer isso. Sabia-se apenas que o som era longo ou breve e era essa informação que ia para o papel.
A ideia de medir a duração dos sons só chegou à música com a criação do primeiro relógio na cidade de Londres, na Inglaterra, no século XIII. Nessa época, surge a preocupação em medir o tempo, o que teve influência na música. A duração do som passa a ser medida e representada na partitura. Também são estabelecidas proporções entre as durações. Ou seja, é definido se a duração de um som é o dobro ou o triplo, por exemplo, de outra duração, que serve como referência.
No final do século XVIII, os avanços na construção de instrumentos musicais permitem que os músicos comecem a se expressar de novas maneiras. Eles passam, então, a fazer mudanças gradativas na intensidade dos sons durante a execução da música. Por conta disso, surgem sinais para indicar, no papel, essas mudanças gradativas, que vão do pianíssimo ou pp, que significa muito suave ao fortíssimo ou ff. Modificações sutis e gradativas na velocidade em que a música deve ser tocada também começam a ser assinaladas. Elas são indicadas com termos como acelerando, que quer dizer progressivamente mais rápido e rallentando, gradualmente mais lento.
Como a notação musical sempre procurou acompanhar as mudanças que ocorreram no processo de criação musical e isso continua a acontecer, no século XX, foram criadas representações gráficas dos sons diferentes das que existiam até então. Isso ocorreu por conta dos novos efeitos sonoros e das novas formas de explorar os instrumentos musicais que surgiram na época. De um modo geral, as representações gráficas inventadas no século passado costumam dar maior liberdade ao intérprete da música e o convidam a improvisar.
Guido D'Arezzo (992 - 1050) foi um monge italiano e regente do coro da Catedral de Arezzo (Toscana).
Foi o idealizador da pauta musical e batizou as notas musicais com os nomes que conhecemos hoje: dó, ré, mi, fá, sol, lá e si, baseando-se em um texto sagrado em latim, cantado pelas crianças do coral para que São João os protegesse da rouquidão:
Antes de encerrarmos esse papo sobre notação musical, há duas coisas que você precisa saber. A primeira é que, apesar de representar graficamente os sons e as instruções para tocá-los, a notação musical, sob certos aspectos, é bastante imprecisa. Por conta disso, ela permite que nós possamos pensar em interpretações diferentes para a mesma música, o que interfere no seu sentido.
É como na poesia: quando lemos um poema, temos de pensar onde vamos respirar, quanto irá durar nossa respiração, quando recitaremos mais baixo, mais piano ou mais forte, em que momento leremos mais lento ou rápido, em qual trecho apressaremos ou atrasaremos nossa fala e assim por diante. O sentido que o poema irá ganhar dependerá de cada decisão que tomamos.
Além de levar em consideração que a notação musical tem o seu lado de imprecisão, você precisa ter em mente que ler e escrever música, assim como ler e escrever o nosso idioma, exige horas e anos de estudo e dedicação. Naturalmente, podemos nos comunicar verbalmente, criar poesia e inventar histórias sem saber ler e escrever. Da mesma forma, também podemos inventar música, cantar, fazer desafios e até mesmo tocar “de ouvido”, isto é, tentar reproduzir em um instrumento alguma música de nossa preferência ou alguma ideia musical que tenhamos inventado. Mas, sem dúvida, ao agir dessa forma, ficamos limitados aos nossos sentidos e à nossa memória. E, assim, desperdiçamos a riqueza musical que foi construída por vários artistas ao longo dos séculos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário